O AGORA QUE DEMORA

Hora Disponibilidade Preço
14 SETEMBRO 20:00
20:00 12,00 Comprar
15 SETEMBRO 20:00
20:00 12,00 Comprar
16 SETEMBRO 20:00
20:00 12,00 Comprar
17 SETEMBRO 20:00
20:00 12,00 Comprar
18 SETEMBRO 17:30
17:30 12,00 Comprar
VOLTAR

Preço: Entre 12 € e 15 €

Duração: 90 Minutos

Classificação: M/16

Promotor: EGEAC - EM,S.A.


A encenadora e realizadora brasileira Christiane Jatahy deu início ao seu projeto Nossa Odisseia com o espetáculo Ítaca, que estreou em Portugal no Teatro São Luiz em 2017. O Agora Que Demora é a segunda parte desse díptico em torno do épico de Homero. O que nos pode dizer uma ficção com três mil anos sobre o mundo em que vivemos nesta primeira metade do século XXI? Qual a ligação entre essa história e os atuais movimentos de pessoas que cruzam fronteiras em busca de uma terra segura, um lar? Ou outras pessoas, que mesmo marginalizadas pelas instâncias do poder, continuam a defender as suas casas contra todo o tipo de invasores?
Christiane Jatahy, que tem expostos as linhas de tensão entre o cinema e o teatro e as suas respetivas ligações com o passado e o presente, e tem dinamitado os muros de fronteira entre ficção e realidade, desafiando a posição dos espectadores dentro dessas novas ligações, vai ainda mais longe em O Agora Que Demora. Indo além da investigação de como o cinema pode ampliar a nossa experiência teatral, dramaturgicamente e formalmente, Jatahy inverte os papéis entre os dois meios. O Agora Que Demora é um filme que atinge toda a sua dimensão quando dialoga com o teatro. O filme foi realizado entre 2018 e 2109 em Jenin, na Palestina; num campo de refugiados no Líbano e na Grécia; no centro da cidade cosmopolita de Joanesburgo; e numa comunidade indígena na Floresta Amazónica, que luta para defender a sua terra natal e a sua integridade. Ainda que essas filmagens tenham sido realizadas num contexto documental, o propósito é definitivamente fictício, já que os atores dessas comunidades usam os versos de Homero para falar sobre as suas realidades.
Em O Agora Que Demora, embarcamos numa jornada guiada por uma ficção de três mil anos, mas sempre com a lama da realidade de hoje a molhar os nossos pés. Um filme e uma peça que transportam o público para dentro da ficção. Um encontro para descobrirmos brechas no muro e portas deixadas abertas, e questionarmos: como podemos quebrar esse ciclo de repetição?

CONFIGURAÇÃO

A encenadora e realizadora brasileira Christiane Jatahy deu início ao seu projeto Nossa Odisseia com o espetáculo Ítaca, que estreou em Portugal no Teatro São Luiz em 2017. O Agora Que Demora é a segunda parte desse díptico em torno do épico de Homero. O que nos pode dizer uma ficção com três mil anos sobre o mundo em que vivemos nesta primeira metade do século XXI? Qual a ligação entre essa história e os atuais movimentos de pessoas que cruzam fronteiras em busca de uma terra segura, um lar? Ou outras pessoas, que mesmo marginalizadas pelas instâncias do poder, continuam a defender as suas casas contra todo o tipo de invasores?
Christiane Jatahy, que tem expostos as linhas de tensão entre o cinema e o teatro e as suas respetivas ligações com o passado e o presente, e tem dinamitado os muros de fronteira entre ficção e realidade, desafiando a posição dos espectadores dentro dessas novas ligações, vai ainda mais longe em O Agora Que Demora. Indo além da investigação de como o cinema pode ampliar a nossa experiência teatral, dramaturgicamente e formalmente, Jatahy inverte os papéis entre os dois meios. O Agora Que Demora é um filme que atinge toda a sua dimensão quando dialoga com o teatro. O filme foi realizado entre 2018 e 2109 em Jenin, na Palestina; num campo de refugiados no Líbano e na Grécia; no centro da cidade cosmopolita de Joanesburgo; e numa comunidade indígena na Floresta Amazónica, que luta para defender a sua terra natal e a sua integridade. Ainda que essas filmagens tenham sido realizadas num contexto documental, o propósito é definitivamente fictício, já que os atores dessas comunidades usam os versos de Homero para falar sobre as suas realidades.
Em O Agora Que Demora, embarcamos numa jornada guiada por uma ficção de três mil anos, mas sempre com a lama da realidade de hoje a molhar os nossos pés. Um filme e uma peça que transportam o público para dentro da ficção. Um encontro para descobrirmos brechas no muro e portas deixadas abertas, e questionarmos: como podemos quebrar esse ciclo de repetição?



O nosso site utiliza cookies, próprios e de terceiros, tendo em vista melhorar a sua experiência de navegação, analisar a utilização do site, conhecer o sucesso das campanhas de marketing e dirigir-lhe anúncios personalizados.
Para mais informação por favor consulte a nossa Política de Cookies e a Política de Privacidade.